Are you the publisher? Claim or contact us about this channel


Embed this content in your HTML

Search

Report adult content:

click to rate:

Account: (login)

More Channels


Channel Catalog


older | 1 | .... | 9 | 10 | (Page 11) | 12 | 13 | .... | 35 | newer

    0 0



    0 0


    Ele teve muita sorte. Geralmente os crocodilos não soltam e dão o 'giro da morte' que é o giro que pode decepar o membro que ele morde.

    0 0

    Encontrei esse video por acaso e estou boiando até agora. Não consegui nenhuma informação , de quem , de quando ,onde ...Apenas o video de um cidadão se apresentando em o que parece ser um teatro atravessando espadas pelo próprio corpo , se alguem tiver maiores informações deem um salve aê pra gente que eu estou muito curioso :





    ATUALIZADO EM 29/07/2013 AS 19:00

    O leitor Diego matou a charada e nos enviou o nome da figura :

    Mirin Dajo





    Mirim Dajo foi um Faquir de origem holandesa que em suas viagens pela Índia aprendeu as tecnicas do Faquirismo e impressionou o mundo com suas tecnicas de analgesia e de dominio da mente sobre o corpo.
    Grande especialista na área do Ilusionismo referente ao Faquirismo, concretamente na Analgesia e Atoxina. No dia 31 de Maio de 1947, Mirin Dajo no Hospital de Zurique, perante os médicos, com verificações Radiográficas, deixou-se atravessar com um florete, de lado a lado, todo o corpo, inclusive o coração! Para ele era exibição corriqueira, e constam fotografias, atravessar-se com estiletes o braço, as maçãs do rosto, a parte da frente do pescoço, a língua, etc.
    E corria com um florete atravessando-lhe o fígado, ou os rins, ou o estômago. Trata-se de pura técnica, embora muito apurada.
    Mirin Dajo, em 11 de maio de 1948, ouviu uma voz que lhe indicava engolir um espinho enorme de metal. Dia 13 de maio foi internado para realizar a extração do espinho de seu corpo. Após uma cirurgia, ficou cerca de 10 dias num estado hipnótico, e morreu no hospital. Autópsias realizadas posteriormente em seu corpo demonstraram que ele morreu, aos 36 anos, por ruptura da artéria aorta.







    Um muito obrigado ao grande Diego 

    0 0
  • 07/29/13--19:23: Abscesso no cotovelo

  • É designado de abscesso ou abcesso o acúmulo localizado de pus num tecido, formando uma cavidade delimitada por uma membrana de tecido inflamatório.

    Este é um fucking nojento e libertário vídeo!



    O líquido purulento que a preenche se forma em virtude da desintegração e morte (necrose) do tecido original, microorganismos e leucócitos.

    ONE

    Bônus:
    O simpático médico Vikram Yadav, autor do vídeo e a apresentação do seu canal no youtube:


    ONE

    0 0


    Manifestantes favoráveis e contrários aos direitos gays se enfrentaram neste sábado (25) durante uma parada gay não autorizada no centro de Moscou, capital da Rússia.
    Pelo menos 30 ativistas foram presos. Ativistas anti-gays se aproximaram da parada e leram passagens da Bíblia, segundo as quais a homossexualidade é um "pecado".


    No ano passado, o Parlamento da Rússia baniu todas as paradas gays. Uma lei que proíbe toda "propaganda que promova a homossexualidade" também está prestes a passar.
    A Rússia descriminalizou a homossexualidade em 1993, mas a homofobia continua forte no país.

    ONE
    http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/05/manifestantes-sao-presos-apos-confronto-em-parada-gay-na-russia.html













      


    ONE

    0 0




    Ao ver pela primeira vez o trabalho de Hermann Nitsch, o não iniciado pode se perguntar se ele é um psicopata assassino que aplicou um golpe no mundo da arte para que seus rituais satânicos e bacanais sangrentos sejam financiados. A verdade é que Nitsch é o líder do Teatro das Orgias e dos Mistérios, um grupo de artes performáticas e projeto contínuo que encenou cerca de 100 performances ritualísticas do começo dos anos 60 até o fim dos 90. Os eventos eram orgias bizarras dos sentidos, repletos de imolação de animais, crucificação, pilhas de frutas, vísceras, roupões brancos, nudez, galões de fluidos vitais e sabe-se lá mais o quê. Essas celebrações irreverentes culminaram em A Festa de Seis Dias, a versão de Nitsch da história da criação, que foi realizada no castelo onde ele morou por mais de 40 anos.





    Nitsch recebeu sua educação artística formal de pintor no Wiener Graphische Lehr-und Versuchsanstalt, na Áustria. Suas telas em larga escala estão encharcadas e respingadas de vermelhos, marrons e cinzas. Parece que ele triturou um grande mamífero em um liquidificador gigante e atirou aleatoriamente o resultado em uma parede. Um olhar mais atento revela que houve muito cuidado e uma seleção meticulosa da paleta na finalização das peças. Ele é frequentemente citado como um Acionista Vienense—um grupo de artistas austríacos excêntricos e provocadores que também inclui Günter Brus, Otto Muehl e Rudolf Schwarzkogler—mas faz tempo que Nitsch transcendeu qualquer “movimento” identificável e começou a afiar uma arte sangrenta que é somente sua.






    Confira na integra uma entrevista que  Hermann Nitsch concedeu ao portalVICE:

    Vice: É claro que o trabalho de Nitsch enfurece os religiosos e conservadores, mas eles estão completamente equivocados. Ele está apenas segurando um espelho para as questões religiosas, as cerimônias antiquadas e esquisitas inerentes às crenças dos seus próprios detratores. E, além disso, qualquer um que ache que um festival fictício de seis dias com gente nua, embriaguez em massa e pisoteamento de intestinos animais dentro de um antigo castelo não parece divertido é tão entediante que podia nem existir. Ainda assim, muitas perguntas são levantadas com o trabalho de Nitsch, independentemente da fé de cada um. Então, pedimos humildemente que nos respondesse algumas delas depois de oferecermos a ele três cordeiros sacrificados.

    Hermann Nitsch: Antes de começarmos, o que você faz? 

    VICE: Estudo ciências políticas. 
    Isso é ruim. 

    Por quê? 
    Porque a política é o maior incômodo do mundo. E os políticos são um bando de estúpidos frustrados que tentam administrar o poder. 

    Você sempre teve essa opinião sobre os políticos? 
    Sim, sempre. E posso dar a você um bom motivo: tive de cumprimentar colegas com “Heil Hitler” quando estava no primário, por volta de 1943, e dois anos depois o país foi libertado. Depois disso, cada poder de ocupação—os americanos, os russos e assim por diante—tinha seu próprio jornal. Nesses jornais, os americanos falavam mal dos russos e os russos falavam mal dos americanos. Foi aí que me dei conta de que todos os políticos e tudo o que vem junto são tudo uma grande fraude. 

    Então você é uma pessoa apolítica.
    Totalmente. 

    Existem reflexos das experiências de guerra no seu trabalho?
    Sabe, essa questão—na melhor das hipóteses—só poderia ser respondida usando a psicologia analítica. Não posso dizer muito bem quais influências podem ter afetado minha própria vida. Claro, existem incidentes traumáticos que alimentaram minha disposição expressiva, mas não acho que eu seja um homem problemático. Me sinto mais como um homem criado em meio a duas guerras mundiais horríveis. Meus pais e avós sobreviveram à primeira, e eu, à segunda. As pessoas sempre tiveram de lidar com guerras de um jeito ou de outro—a Guerra dos Trinta Anos, as Guerras Napoleônicas etc.—, mas não necessariamente com duas guerras de uma vez.

    Você começou de maneira bem convencional, estudando desenho gráfico na Universidade de Viena. O que influenciava você como jovem naquela época?
    Tive a sorte de ter muitos professores bons, que sempre apoiaram minha inclinação artística—uma carreira em publicidade nunca me interessou. Estudei intensamente os antigos mestres: Michelangelo, Leonardo, as pinturas holandesas, Rembrandt e Rubens. Eles me fascinavam.

    E em termos filosóficos? 
    Antes, eu era muito distanciado do mundo, austero, mais influenciado por Schopenhauer. Nietzsche foi uma virada para mim, para uma atitude mental mais positiva da minha parte. 

    Como era Viena na época da sua primeira exposição? 
    Não tinha muita coisa acontecendo. Eu me lembro de algumas pessoas—o cineasta Peter Kubelka, o escultor Karl Prantl e assim por diante—, mas, fora eles, Viena parecia bem ignorante em relação à arte. 

    Como você conheceu os artistas que junto a você, mais tarde, ficaram conhecidos como os Acionistas Vienenses?
    Primeiro eu conheci o Brus. Depois disso, fui ver exposições de Muehl, Frohner e Niederbacher. Schwarzkogler foi meu colega na universidade. Ele estava no primeiro ano enquanto eu fazia meu mestrado. Resultou em uma rede de pessoas com ideias seme-lhantes. Eu estava trabalhando no projeto Teatro das Orgias e dos Mistérios, sem muito sucesso a princípio—levando em consideração que fui preso três vezes por causa dele. 










    O que aconteceu?
    Consideraram meu trabalho blasfemo, pornográfico e sei lá mais o quê. Em uma ocasião, foi uma performance no sótão de Muehl. Na verdade nós tínhamos planejado duas performances sequenciais. Precisei de uma ovelha morta para a minha, mas a coisa toda foi interrompida pela polícia depois de uns 45 minutos. A performance de Muehl nem pôde acontecer. Nós dois ficamos presos por três dias, e depois fomos sentenciados a 14 dias. Na época, eu tinha um certo orgu-lho disso. Meu trabalho agitava as pessoas, e me vi no mesmo time de outros grandes artistas incompreendidos. 

    Depois você ficou seis meses em liberdade condicional.
    Sim, em 1966, pela minha pintura de menstruação Die Erste Heilige Kommunion (A Primeira Comunhão). Foi isso que me fez sair do meu país e ir para a Alemanha.

    Foi tão difícil na Bavária quanto na Áustria? 
    A Alemanha foi muito boa para mim. Passei dez anos felizes lá, fiz amigos maravilhosos e consegui fazer muita coisa. Mesmo que havendo problemas e escândalos em Munique vez ou outra, nunca houve tanta intriga e manipulação quanto em Viena. Depois da morte trágica da minha esposa em um acidente de carro, voltei para a Áustria. 








    O país tinha mudado muito? 
    Estamos falando do governo Kreisky agora. Todos os meus colegas—Artmann, Brus e assim por diante—tinham retornado do exílio. A atmosfera estava definitivamente mais amigável. 

    Você fez algumas performances nos EUA também. 
    Você sabe quem é Peter Kubelka?

    Sim, o cineasta experimental austríaco. 
    Ele teve muito sucesso nos EUA, e éramos bons amigos. Um dia, em 1967, recebi um cartão postal de Kubelka que dizia “Os americanos estão convidando você. Tem verba disponível, você só precisa dar seu consentimento”. Realizei duas performances na Cinematheque em Nova York e outra na Universidade de Cincinnati. De modo geral, posso dizer que foi um grande sucesso nos EUA, e algo com que eu nunca teria sonhado. Tive uma cobertura enorme na imprensa. Saí na capa do Village Voice.

    Às vezes você realiza suas performances sozi-nho, em outras ocasiões é um grande espetáculo com quase 100 pessoas. Quanto é encenado, e o que acontece espontaneamente? 
    Ambas são necessárias, as encenadas e as espontâneas. O truque é saber calcular a espontaneidade e a coincidência. Para mim, o número de participantes não é uma preocupação.

    Mas mais pessoas significa mais investimento logístico. Você às vezes se sente como um maestro ou um ditador? 
    Por favor, deixe de usar termos políticos agora. Com essa lógica, todo diretor seria um ditador. Para mim, é o mesmo procedimento artístico de pintar um quadro. Quantos objetos eu uso não é relevante.

    Você sente alívio quando uma performance acaba?
    Quando a coisa vai bem, me sinto ótimo. O ato artístico, o processo estético, é isso que me faz feliz.









    Como é trabalhar com sangue e carne? 
    É com a nossa carne e o nosso sangue que eu trabalho. As pessoas sempre me perguntam por que eu uso sangue, vísceras etc. Digo que existem artistas que trabalham com paisagens. Outros, com retratos ou naturezas-mortas. Sou o artista que trabalha com carne e sangue, é um campo incrivelmente interessante. Além disso, existe mais de uma linha de trabalho que se preocupa com sangue: médicos, por exemplo, e caçadores. E é um tema importante em muitas religiões. Mas para a maioria das pessoas é difícil se acostumar, porque elas não têm que lidar tanto com isso.

    Você já pensou em trabalhar com outra coisas além desses materiais? Você poderia ter criado uma intensidade semelhante com fezes, por exemplo.
    Alguns dos meus colegas trabalharam muito com fezes. Eu não. Assim como Monet não pintou muitos retratos.

    Como você se sente em relação à provocação? 
    Minha intenção nunca foi provocar. Sempre busquei intensidade. A intensidade na arte histórica sempre me fascinou. As tragédias da Antiguidade, a Paixão de Cristo... Arte intensa sempre teve meu amor. Se uma das minhas ações provocou as pessoas em algum momento, bom, que seja. Mas as provocações nunca foram um objetivo. 









    Mas romper tabus é um elemento essencial do seu trabalho, não é?
    Tenho muito interesse em tabus, especialmente suas origens. Passei minha vida toda envolvido com psicologia analítica, e meu trabalho é consistente com dramaturgia psicológica. As tragédias de Sófocles, Altar de Isenheim, de Grünewald—você conhece?—, são coisas de uma intensidade brilhante. Mas, mais uma vez, eu nunca tive a intenção de provocar. Talvez alguns dos meus colegas sim. Mas também não era tão burro a ponto de não pensar: “Isso pode provocar”. 

    Faz diferença para você como essa intensidade é gerada? Seja alguém amarrado em uma cruz ou você colocando as vísceras de uma ovelha em um pênis? 
    Sigo certos formatos. Não importa qual é o principal tema visual, a intensidade é fundamental. 

    Qual é o limite? 
    Não há limites na arte. Na minha opinião, tudo pode ser arte. Mas em algum momento você pode vir a enfrentar o código penal e sua própria consciência. Às vezes eu penso: “Isso não posso justificar, pode causar muito incômodo”. 










    De onde vem a sua compreensão moral? 
    Tenho certeza de que você leu Nietzsche. Ele pode não ter influenciado a humanidade da maneira que queria, mas ele buscava algum tipo de mudança na ética pela compaixão e tal—mas você sabe disso. A ética tradicional passou por uma certa transição por causa de Nietzsche. Ainda sou da opinião que as pessoas não devem ser prejudicadas e que deve haver uma distribuição justa de bens produzidos pelo homem, mas sou contra a ideia de que você tem que definir a filosofia com base na ética. Acho que os acadêmicos antes de Sócrates filosofaram mais aberta e honestamente do que os seguidores do idealismo alemão.

    Como você se sente em relação à religião?
    Sou fascinado pela religião de cada era e cada cultura. Tenho respeito por todas, sem pertencer a nenhuma delas. Só tenho sentimentos religiosos em relação à vida, `a natureza, ao cosmo e à eternidade. 



    Seu trabalho reflete isso.
    Sou fundamentalmente uma pessoa que trabalha com materiais imediatos e incidentes. Tento produzir eventos reais no meu teatro, que podem ser vivenciados com os cinco sentidos, o que faz dele uma síntese artística. Esse é o meu esforço: lidar com a cor imediata, carne de verdade, vísceras reais, o corpo humano. Além disso, meu trabalho também é mais ou menos uma compreensão psicanalítica de associações do subconsciente. Sou um grande admirador de Freud e Jung. Mitos de todos os tempos têm um papel importante no meu trabalho. É quase um evento filosófico, uma ontologia, uma busca pelo eu—mas não como Heidegger ensina. Apesar de eu ter muito respeito por ele enquanto me ressinto de suas visões políticas. Desde o começo da Antiguidade, muitos tiveram de lidar com os fenômenos da existência. Eu também faço isso. 







    Para quem você escreve seus grossos livros teóricos? 
    Para aqueles que já entendem meu traba-lho. Não uma introdução em um nível acadêmico. A teoria só faz sentido para aqueles que já acordaram e sentiram o cheirinho do café.

    E as pessoas que confrontam o seu trabalho sem nenhum conhecimento teórico? 
    Eu gostaria que eles fossem tocados pelo meu trabalho. Eles deviam saber: é aqui que a consciência termina; estamos adentrando mundos mais profundos. 

    Você é um missionário? 
    Fui um missionário da arte minha vida toda.

    E você quer ser compreendido.
    Eu gostaria muito que isso acontecesse.

    ENTREVISTA POR JONAS VOGT, RETRATO POR ALEXANDRE NUSSBAUMER




    0 0



    0 0
  • 07/30/13--05:34: Cortaram a garganta

  • Não o deceparam totalmente porque esse método deixa  a pessoa morrendo lentamente e assim causando mais dor para a pessoa.

    0 0




    Alguns chamam de sorte , outros de destino , milagre ,cagada e de nascer de novo . Mas não tem como se admirar e procurar uma dessas citadas para explicar esse acidente acontecido na Malasia .

    Um guindaste desgovernado saiu atropelando varios carros e só parou em cima de um carro que estava uma mulher gravida .

    Após horas de resgate a mulher é retirada das ferragens com apenas alguns arranhões ....

    Ou seja, se sua hora não chegou ,parceiro , não adianta nem se esforçar que vc não morre !!




































    0 0
  • 07/30/13--20:30: Acidente de Trem Na espanha



  • O acidente ocorreu no último dia 24 com o trem que fazia a rota entre Madri e Ferrol. Pelo menos 130 pessoas foram levadas ao hospital após o acidente. Trinta e duas pessoas ficaram gravemente feridas, incluindo crianças. Um brasileiro, que também tem nacionalidade espanhola, de 25 anos, morreu no acidente.

    O trem levava mais de 200 passageiros a bordo, de acordo com a operadora de trens do país, Renfe. Muitos passageiros ficaram presos nas ferragens. Todos os 13 vagões, segundo investigações, saíram dos trilhos e quatro tombaram.

    O condutor do trem foi acusado de "homicídio por imprudência". Francisco José Garzon Amo, 52 anos, é suspeito de dirigir rápido demais em uma curva. Os relatórios dizem que o trem estava a uma velocidade de 190 quilômetros por hora, sendo que a velocidade máxima permitida no local onde ocorreu o acidente é 80 quilômetros por hora.

    Na noite de segunda feira o Ministério das Relações Exteriores confirmou a morte do segundo brasileiro no acidente do trem que descarrilou na semana passada, em Santiago de Compostela, na Espanha. A vítima é uma brasileira que, assim como o brasileiro cuja morte foi divulgada no dia 26, também tem nacionalidade espanhola. A família foi notificada e pediu que as informações pessoais não fossem divulgadas. O Consulado do Brasil em Madri ofereceu apoio, mas a família disse não precisar.




















    0 0




    0 0



     Bromberg uma pacata cidade polonesa que nos meados da decada de 1930 vivia harmoniosamente juntamente com varios imigrantes alemães .Porem ela foi palco de uma das historias mais terriveis da segunda guerra mundial e que talvez tenha condenado a Polônia inteira .

    Ao final da primeira guerra  , a cidade de  Bydgoszcz (Bromberg) que havia sido anexado ao império alemão onde , ao final da primeira guerra devido ao Tratado de Versalhes foi atribuida à Polônia .






     Isso resultou em um número de alemães étnicos, deixando a região para a Alemanha. Ao longo do período entre guerras , a população alemã diminuiu ainda mais. O Censo 1931 polonês relatou a população alemã na cidade era 117.200;. Acordo com o historiador alemão Hugo Rasmus, apenas cerca de 10 mil alemães permaneceram em 1939

    O surgimento do Partido Nazista na Alemanha teve um impacto importante sobre a cidade. Adolf Hitler  , fez um apelo aos alemães que vivem fora das fronteiras da Alemanha do pós-I Guerra Mundial. Foi objetivo explícito de Hitler para reverter o trabalho do Tratado de Versalhes e criar um Estado alemão Maior . Em março de 1939, essas ambições, acusações de atrocidades de ambos os lados da fronteira germano-polaca, desconfiança e crescente sentimento nacionalista levou à deterioração completa das relações polaco-alemãs.

    Demandas de Hitler para o Corredor Polonês e, oposição polonês para as negociações com ele alimentou as tensões étnicas. Durante meses anteriores a 1939 invasão alemã da Polônia , invasão, jornais alemães e políticos, como Adolf Hitler tinha realizado uma propaganda   nacional e internacional campanha acusando autoridades polacas de organizar ou tolerar violento limpeza étnica de alemães étnicos que vivem na Polônia







    Após um  conflito armado que eclodiu em 1 de Setembro de 1939 entre polacos e alemães, as declarações que perseguições étnicas de alemães  ocorrendo na Polônia, especialmente em Bromberg, começou a aparecer na imprensa nazista.  Era uma parte da campanha acusando autoridades polacas de organizar ou tolerar violento limpeza étnica de alemães que vivem na Polônia.

    Após dois dias de confronto o clima era bem tenso, bo dia 3 de setembro de 1939 . Foi ai que a MERDA aconteceu : Segundo a versão mais aceita e endossado por uma testemunha de origem britanica, um soldado polonês que andava pela cidade foi atingido e morto pelas costas por um alemão de dentro de sua casa .
    Isso teria causado uma revolta em massa onde soldados poloneses juntamente com a população passou a caçar os alemães que viviam na cidade resultando na morte de , segundo historiadores , cerca de 40-50 poloneses e entre 100 a 300 alemães











    Os assassinatos foram seguidos por represálias e opressão alemães. Em um ato de retaliação pelas mortes no Domingo Sangrento, um número de civis poloneses foram executados por unidades militares alemãs da Einsatzgruppen , Waffen SS e Wehrmacht.] De acordo com o historiador alemão Christian von Frentz Raitz, 876 poloneses foram julgados por um tribunal alemão para a participação nos eventos do Domingo Sangrento antes do final de 1939. 87 homens e 13 mulheres foram condenados sem direito a recurso.

    E o resto da historia e de que a Alemanha fez com a Polônia todos ja sabem ...
































    0 0
  • 07/31/13--21:14: Imagens incidentais


  • Sabem aquela imagens que insistem em ficar no seu HD?
    Não é o caso destas imagens aqui!:)
    Incidentalmente eu as encontrei na web China e resolvi compartilhar:)
    Acho que tem foto fake aí no meio:)

    ONE

    http://zhishi9.com




















    ONE

    0 0



    Nem vou estragar a surpresa:)
    Assistam este divertido vídeo:)




    ONE

    0 0


    Vídeo que mostra um garoto Chinês, portador de paralisia cerebral e que pesa 300 quilos sendo auxiliado pelo corpo de bombeiros na hora do banho.
    Não deve ser fácil...
    Sem mais informações sobre o caso no momento.

    ONE



    ONE

    0 0
  • 08/01/13--09:20: Gangrena




  • Esse rapaz foi um candidato para o tratamento de furúnculos e agora você pode ver a condição, perna inteira está cheia de pus e você pode ver o tecido morto. Gangrena ocorre quando o fornecimento de sangue ao órgão é dificultada, resultando na morte dos tecidos.

    0 0

    Noite Sinistra



    Bem amigos do O Mundo real ,nesta sexta feira estaremos começando um novo projeto na blogosfera , muito parecido com essas tags que volta e meia aparece não só aqui no blog mas em vários blog independentemente do tema do blog .


    Essas tags existem pare que os leitores  conheçam mais o seu blog favorito e fique  mais “intimo” do blog.


    E eu pensando nisso resolvi criar uma serie de postagens que vou , quer dizer pretendo , estar publicando toda sexta feira , que nada mais é que uma entrevista com um blogueiro parceiro .


    Mas pra que isso??


    Meu objetivo com esse projeto visa divulgar o blog parceiro , mostrar para os leitores que blogueiros tem vida fora da internet ( algumas pessoas pensam o contraio ) e alguns nem tem mesmo , e é claro fazer com que os leitores saibam o que se passa na cabeça insana de um blogueiro .



    E para começar nossa serie vou convidar ele que é o nosso principal parceiro , que nos acompanha desde o inicio do blog , Nando Gerdhartdo excelente blogNoite Sinistra.


    OMR: E ai Nando tudo bem com vc?

    Noite Sinistra: Tudo bem...é um grande prazer estar participando de mais essa iniciativa do OMR.


    OMR: Conte um pouco sobre vc.

    Noite Sinistra: Bem, eu sou um cara meio velho para os padrões da internet...rsrs. Tenho 29 anos, moro no Rio Grande do Sul, ainda faço faculdade...rsrsrs.  Adoro filmes de terror, gosto muito de ler, musica eu curto de tudo um pouco, mas se eu puder escolher escolho um rock das antigas...rsrsrs




    OMR:Se vc é velho também sou pois também tenho 29 anos rsrs. VC  sempre foi leitor assíduo e depois foi autores de blogs como Doce Psicose e Sinistro ao Extremo . Conte um pouco dessa experiência .
    Eu sou leitor de sites e blogs de terror a muitos anos, para se ter uma base eu lia o Apocalipse 2000 quando esse site era novo. Sempre gostei de terror, mas foi quando eu me tornei autor no Doce Psicose, que eu já lia a algum tempo, que eu realmente passei a viver o dia a dia nesse universo. Até então eu entrava uma 2 vezes por semana em blogs desse segmento, mas a partir do Doce Psicose eu passei a  visitar muitos blogs de terror diariamente. O Doce Psicose foi meio que a centelha que faltava para eu criar o Noite Sinistra, lá adquiri experiência, e comecei a ver melhor como as coisas funcionam. O Sinistro ao Extremo eu sempre lia, e daí um dia vi lá que o dono do blog, o Vitor, tava precisando de uma mão, e me ofereci para ajudar, mas como eu já escrevia o Noite Sinistra, eu acabei ajudando por pouco tempo, mas foi muito bacana, pois os leitores do Sinistro ao Extremo tem um gosto mais parecido com os leitores do NS, já a galera do Doce Psicose é um pouco diferente.  Foi um aprendizado muito bacana.

    OMR : E foi a partir da que vc resolveu criar seu blog ?:
    Eu já vinha a algum tempo pensando em escrever um blog, mas era um lance um pouco diferente, algo mais relacionado a contos e tals, ou sobre história e mistérios históricos. Mas quando passei a escrever para o Doce Psicose eu vi como trabalhar apenas com contos é difícil e que mistérios históricos é um assunto que se encaixa com o terror, podendo ser trabalhado paralelamente. Hoje uso esses elementos no NS, apesar de as vezes exagerar na mão, mas faz parte neah.


    OMR: De onde veio a inspiração pelo nome “Noite Sinistra”?
    Bem eu queria um nome que mencionasse alguma coisa relacionada a terror, mas sem o nome terror. Então pensei: “Qual é uma das coisas mais clichês dos filmes de terror?” Toda ação em filmes de terror acontece a noite, portanto o nome do blog teria que ter algo a ver com noite. Entrei no Blogger e comecei a testar alguns nomes possíveis, então vi que Noite Sinistra estaria disponível, assim surgiu o nome do blog. Detalhe Noite Sinistra tem 13 letras...um número bem sugestivo neah? Rsrsrs 

    OMR: Pois é bem sugestivo rsrs .Eu sei que vc não criou o blog com intenção de ganhar dinheiro , mas já conseguiu ganhar algum ?
    Quando comecei o blog eu não pensava em grana. Mas eu adicionei os códigos do Adsense desde o início do blog por um motivo extremamente estúpido...rsrsrsrs. Eu acreditava que ter um banner de publicidade daria ao leitor que entrasse no blog pela primeira vez, uma sensação de que o blog tinha status...rsrsrsrs. Podem rir a vontade, pois isso é verdade!!!!
    A ideia do blog nunca foi ganhar dinheiro, mas já ganhei alguns reais com o adsense, na verdade eu para receber pagamento, você precisa atingir rendimentos acumulados superiores a 100 dólares, eu já recebi dois pagamentos.



    OMR: Quanto tempo vc passa o dia online e quanto gasta com o blog?
    Eu trabalho como desenhista de peças mecânicas, portanto algo muito chato, e como sou o único nesse setor da empresa, essa função se torna solitária também. E como desenho usando softwares de desenho tenho acesso ao computador todo meu período de trabalho. Nesse período eu acesso regularmente a internet, seja para administrar o NS ou para visitar os blogs que eu gosto de ler (O Mundo Real por exemplo) , sejam eles de terror ou não. As postagens eu realizo nos meus períodos de folga, tipo de meio dia, ou a noite. Passo tranquilamente 5 horas on line por dia, e mas 2 horas eu dedico ao NS.

    OMR: Vc ainda usa o Autocad e Solid , e eu que usava as velhas pranchetas e as réguas T rsrs.  Ainda falando em números: Qual a média diária de visualizações e qual foi a maior quantidade de visualizações em um só dia ?
    A média diária fica em torno de 5,5 mil a 7 mil visualizações. O pico de visualizações que o NS atingiu foi de 26747 visualizações no dia 14 de abril de 2013.


    OMR: Esse é o mês do aniversário do NS , podemos esperar alguma surpresa? Pode nos adiantar algo ?
    Verdade esse mês o NS completa 1 ano. Eu vou modificar um pouco o template do blog. Vou mudar um pouco a dinâmica de algumas postagens. To com uma postagem especial programada, trata-se de uma saída de campo, é uma investigação que eu fui fazer pessoalmente.  Uma outra postagem está sendo preparada algo bem retrô. Não é muita coisa, mas acredito que a galera vai gostar.



     OMR: Bacana hein , estou no aguardo. Se quiser falar algo que não foi perguntado ,fique a vontade , faça um merchan de seu blog rsrs
    Gostaria de te agradecer Silvio pelo convite, é sempre muito bacana participar desse tipo de iniciativa. Gosto demais desse tipo de oportunidade, afinal podemos expressar melhor nossas opiniões, e tem muita galera boa aí na blogosfera com umas histórias fodas para contar. Sem contar que esse tipo de contato serve meio que para quebrar o gelo entre a gente e o povo que tá lendo o blog.
    E se alguém estiver interessado em conhecer o Noite Sinistra, estejam todos convidados a fazer uma visita e interagir no blog, todos serão muito bem recebidos.
    Mais uma vez obrigado pelo convite...

    OMR : valeu grande parceiro obrigado pela atenção e um forte abraço 


    Bem é isso que eu e o Nando queriamos passar pra vcs e convido vcs a acessarem o Noite Sinistra e interagir com a gente e semana que vem vou estar trazendo mais um blogueiro pra vcs , ou quem sabe uma blogueira ...

    0 0


    Com esse título, este que vos escreve encontrou na web China, esta pequena compilação de imagens de mortes na guerra da Coréia.
    Um evento que não se deve esquecer...

    ONE

    http://tuku.news.china.com

    "17 de maio de 1951, soldados voluntários mortos na guerra da Coréia ainda soltam fumaça em uma área repleta de cadáveres.

    Segundo informações do lado Americano, em 19 de outubro de 1950, civis são mortos por Norte-Coreanos.

    Esta foto foi considerada como informação classificada (''top secret'') pelos USA, onde a cena mostra prisioneiros políticos sendo executados pelos soldados Sul-Coreanos.

    Segundo um relatório dos Estados Unidos, esta foto foi tomada em setembro de 1950 quando 400 prisioneiros foram executados na prisão de Daejeon.

    7 de Janeiro de 1951, pessoas amarradas, sem identificação e mortas pelas tropas Norte-Coreanas são encontradas.

    1953, soldados voluntários mortos são revistados por soldados Americanos.

    13 de agosto de 1950, tanques Norte-Coreanos são destruídos, assim como seus soldados.

    10 de julho de 1950, um militar Americano é capturado, amarrado e executado a tiros.


    Soldado voluntário Sul-Coreano, morre vítima de vários disparos.

    O sacrifício dos voluntários.

    Anônimo morto na guerra.

    8 de dezembro de 1950, soldados Americanos, Britânicos e Sul-Coreanos preparam uma cremação coletiva.

    28 de outubro de 1953, mulheres Sul-Coreanas identificam corpos de soldados."

    Nota: Este post foi um experimento de tradução do One aqui...
    Ao que parece, que me foi possível traduzir de modo mais fluído, diretamente do terrível idioma Chinês...

    ONE 

    0 0

    E de repente surge uma moto :









    Motociclista sofre viu ...





    Caiu inerte ao solo frio ...






    "Ei , vc esta cego ?" ...





    Efeito dominó





    Por outro angulo



    0 0
  • 08/03/13--10:24: Síria + 18

older | 1 | .... | 9 | 10 | (Page 11) | 12 | 13 | .... | 35 | newer